Para onde vamos?

Olá Viajante,

Desde março de 2020, quando estávamos na Califórnia e tivemos, por conta da pandemia, que cancelar a nossa viagem e voltar ao Brasil, o mundo (e as pessoas) mudou muito. Não só as pessoas mudaram de comportamento, como aprendemos também a nos adaptar a esse “novo normal”,  gostemos ou não de usar essa expressão.

Já conversamos com você algumas vezes desde então sobre as viagens no pós pandemia, em praticamente todos os episódios da segunda temporada do Viajando na Maionese, o nosso podcast semanal sobre viagens.

Durante o ano de 2020 tentamos tomar todos os cuidados possíveis para não ficarmos doentes. Foram vários testes de PCR, alguns IGgs e IGms, saídas controladas para ir ao mercado e de certa forma fomos nos acostumando a conviver com a pandemia.

Passados seis meses de confinamento passamos a nos permitir jantar fora. Lembro da primeira vez que comemos fora em 2020: foi no Madero, com todas aquelas precauções que a Leda já tinha quando fomos viajar em março do ano passado: limpar a mesa com álcool, ficar longe das outras pessoas, tirar a máscara apenas na hora de comer…

E foram mais três meses até criarmos coragem para viajar: em dezembro de 2020 fomos passar alguns dias na Bahia, no Club Med de Trancoso. Tomamos ainda mais cuidado e foi com ainda mais receio que subimos no avião para a viagem entre o Rio de Janeiro e Porto Seguro. Como foi essa experiência você acompanha aqui e no vídeo abaixo.

Em dezembro, no reveillon, veio a segunda viagem. Escolhemos um destino fora dos que são tradicionalmente escolhidos para se passar as festas de Fim de Ano: Curitiba. Justamente para nos sentir um pouco mais seguros.

E não nos arrependemos dessas escolhas. Primeiro, porque tomamos todos os cuidados possíveis e recomendados pelas autoridades de saúde. Segundo, para nossa saúde mental, cientes de que não estávamos 100% seguros e que não poderíamos controlar tudo e todos.

Depois dessas duas viagens ainda tenho a convicção de que as escolhas que fiz foram corretas. As duas viagens fizeram bem para a nossa cabeça e a prova de que os cuidados que tomamos foram suficientes é confirmada simplesmente por não termos sido até hoje contaminados. Nossos exames de PCR e Antígenos para a Covid-19 continuam com resultado negativo.

Mas eis que 2021 chegou e com ele as notícias sobre a pandemia, que nunca foram boas, mesmo com a chegada de algumas vacinas, ao invés de melhorarem, pioraram.

No momento em que escrevo esse texto, em abril de 2021, estamos passando no Brasil pelo pior momento da pandemia até agora. Passamos da média de 3 mim mortos ao dia pela Covid-19, um número assustador.

Então, em respeito às nossas vidas, a vida das pessoas que queremos bem, às vitimas da Covid-19 e aos amigos e familiares dessas vítimas, nesse momento não temos motivos para falar em viagens.

Claro que podemos sonhar, podemos planejar os lugares que gostaremos de conhecer quando estivermos vacinados. Mas enquanto esse momento não chega, decidimos que não podemos falar sobre viagens e muito menos incentivar outras pessoas a viajar.

Então, respondendo à pergunta título deste post: “Para onde vamos?”, a resposta é: viajar é que não vamos. E não há incoerência nessa opção. Viajamos em um momento em que parecia que uma retomada do turismo, que parecia segura, estava acontecendo. Mas desde então o cenário mudou mais uma vez e por isso escolhemos só voltar a viajar depois que estivermos vacinados. E isso vale para viagens internacionais ou qualquer outra em que precisaremos dormir fora de casa.

Por outro lado a resposta à pergunta  retórica “Para onde vamos?” nos leva a raciocinar que, nas atuais circunstâncias, estamos caminhando para uma situação de descontrole sanitário com relação a pandemia

Não quero aqui discutir política ou as maneiras com que a pandemia está sendo combatida ou o caminho que está sendo tomado pelas “autoridades públicas”. A questão vai além disso: o comportamento no “andar de cima” reflete o mesmo comportamento que vemos nas ruas, nas praças e, principalmente, nas praias.

Neste sentido, para respondermos a pergunta “Para onde vamos?” é preciso refletir sobre como estamos agindo conosco e com os que convivem com a gente e para onde queremos chegar.

Exatamente por isso é que decididos não voltar a viajar antes de haver uma melhora na situação da pandemia e antes de sermos vacinados.

Ainda nos permitiremos comer fora aos finais de semana e também irmos ao mercado. Uma forma de “arejar” a cabeça, espairecer e melhorar um pouco a saúde mental.

Então, viajante, por enquanto não há clima para publicamos novos episódios do Viajando na Maionese ou posts sobre viagens no blog. Eventualmente poderemos fazer outras publicações, como por exemplo sobre gastronomia.

Prometemos a vocês que aproveitaremos esse hiato que teremos para organizar o site. Em breve iremos criar uma conexão mais moderna e interativa com vocês para que, assim que a situação da pandemia no Brasil mostrar alguma melhora, possamos voltar a falar de viagens, sobre destinos bacanas para podermos viajar e conhecer quando a pandemia acabar.

Enquanto isso, quando vier aquela vontade de viajar e de conhecer novos lugares ou de voltar para aquele cantinho que você amou visitar, aproveite para rever os episódios que já publicamos no Viajando na Maionese ou os posts aqui do blog.

As viagens não acabaram, viajantes! Elas vão voltar. Mas agora não é a hora. Se puder, fique em casa, lave sempre as mão e use máscara!

Para falar com a gente, envie um e-mail para contato@viajanterei.com.br ou um WhatsApp para +55 (21) 97925-4747.