Tour pelo Porto – Centro Histórico

Olá viajantes!

O post de hoje é dedicado a um passeio pelos principais pontos turísticos do centro da cidade do Porto. Dividimos esse tour pelo Porto em dois passeios diferentes. Esse primeiro, que descrevemos agora, tem chegada e saída da Estação São Bento, que por si só já é um dos lugares mais bonitos da cidade.

Ponto de saída, em frente a Estação de São Bento, uma das regiões mais movimentadas do Porto.

Nesse primeiro tour faremos um percurso de aproximadamente cinco quilômetros, a ser realizado a pé, de forma muito tranquila, durante um dia. Escolhemos a Estação de São Bento como ponto de partida e de chegada, pois o local é central e de fácil acesso por trem e metrô.


Rua das Flores

A partir da Estação de São Bento seguiremos em direção à Rua das Flores, com  prédios característicos e casas com varandinhas que são um charme. Preste atenção na arquitetura dos prédios, que transita por vários séculos, e das diferentes lojas. Ali o novo se mistura com o antigo de uma forma única: você vai encontrar ateliês com obras modernas localizados ao lado de um museu de fantoches ou de uma loja de antiguidades. Detalhe: tudo se funde de uma maneira harmoniosa, como se essa rua do século XVI tivesse sido sempre assim…

Palácio da Bolsa

Ao final da Rua das Flores chegaremos ao primeiro ponto de parada de nosso tour: o Palácio da Bolsa. As visitas ao prédio de estilo Neoclássico que começou a ser construído no século XIX começam às 9 da manhã, duram aproximadamente 45 minutos e custam 9 euros por pessoa.  Para saber mais sobre o Palácio da Bolsa e comprar os ingressos para o tour guiado acesse o site https://palaciodabolsa.com.

Jardim Infante Dom Henrique com o Palácio da Bolsa ao fundo.

Antes de prosseguir, aproveite para explorar os arredores e visitar o Jardim do Infante Dom Henrique, o Museu da Ordem de São Francisco, a Igreja de São Nicolau, a Igreja da Misericórdia, o Mirador e a Igreja de Nossa Senhora da Vitória.

Arredores do Jardim da Cordoaria

Continuando o tour, seguiremos pela rua de São Bento da Vitória em direção ao Jardim da Cordoaria. A partir do jardim é possível visitar a Universidade do Porto, a Igreja dos Carmelitas Descalços e a Igreja da Ordem do Carmo. Um lugar curioso para se visitar é a “Casa Escondida”, um pequeno prédio que foi construído entre essas duas últimas igrejas e que serviu principalmente de residência ao capelão. Após ficar fechada ao público por mais de 250 anos, a “Casa Escondida” está agora aberta a visitação e inclui o acesso ao interior da Igreja da Ordem do Carmo, suas catacumbas e a sacristia.

A visita que fizemos à Casa Escondida foi uma surpresa: primeiro, porque era um local novo, recém aberto ao público, e que não conhecíamos (nem nas pesquisas que fizemos sobre a cidade antes de visitar o Porto). Segundo, porque de fora o lugar parece ser muito menor do que é de verdade. Diria que é muito maior do que os apartamentos que são construídos hoje em dia… O lugar está dividido em andares: há uma sala, um quarto e a cozinha, que fica no andar mais alto da casa. O acesso aos andares se dá por uma escada que, embora não seja larga, é muito confortável para subir e descer…

Visão a partir de uma das janelas da “Casa Escondida”.

A última surpresa foi o “bônus” de poder visitar uma área da Igreja do Carmo exclusiva aos portadores de ingresso: a Nave da Igreja em sua totalidade, as Catacumbas (que na verdade é um pequeno espaço onde estão guardadas peças históricas de prata) e a joia da igreja: a sua sacristia, ainda pedindo um processo de restauro, mas que guarda objetos e peças arquitetônicas de imenso valor histórico.

Igreja dos Carmelitas, da Ordem do Carmo e a “Casa Escondida”, que separa as duas edificações.

Além da Casa Escondida e da Igreja da Ordem do Carmo, com sua fachada azulejada característica, não deixe de conhecer a Igreja dos Carmelitas e a Universidade do Porto, localizada em frete à Fonte dos Leões. A apenas uma quadra da lateral da Igreja do Carmo também está a Praça de Carlos Alberto, com seus prédios únicos e seu Monumento aos Mortos da I Grande Guerra.

Praça de Carlos Alberto.

Ao lado da Praça fica ainda o Museu de Numismática e o Palácio Balsemão: um prato cheio para quem gosta de moedas. Infelizmente não pudemos visitar o local, que fechou para reforma em fevereiro de 2018.  Para acompanhar informações sobre a reabertura, que ainda não tem data definida, clique aqui.

Praça de Lisboa

Seguindo nosso tour, prosseguiremos em direção à Praça de Lisboa. No caminho aproveite para dar uma paradinha na Praça de Gomes Fernandes e comer uma Eclair (bomba) ou uma Bola de Berlim (sonho) na Leitaria da Quinta do Passo.

Detalhe do interior da Livraria Lello, com sua icônica escada carmim.

Na Praça de Lisboa ficam três locais obrigatórios para se visitar no Porto: a Torre e Igreja dos Clérigos, a Livraria Lello e a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau.

Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau.

A Torre dos Clérigos, com seus 75 metros, é um dos pontos mais altos do Porto e de onde se tem uma vista privilegiada da cidade. O ingresso para a visita custa 5 Euros e pode ser comprado na hora ou pelo site  http://www.torredosclerigos.pt/pt/bilheteira.  Crianças até 10 anos não pagam nada para visitar o lugar!!!

Vista a partir de uma das visitas na subida da Torre dos Clérigos.

A Livraria Lello divide opiniões e, para nós, é um lugar de visita obrigatória. Falamos de nosso passeio por lá em um post exclusivo, que pode ser lido em: https://viajanterei.com.br/2018/06/08/livraria-lello/. O voucher para acessar a livraria custa 5 euros e o valor será abatido na compra de qualquer livro da livraria. Para comprar seu voucher acesse o site https://www.livrarialello.pt/pt-pt/.

A Praça de Lisboa e o Pastel de Bacalhau

Além da Livraria Lello e da Torre e Igreja dos Clérigos, a Praça de Lisboa sozinha já é um ponto de encontro da cidade. Em seus gramados turistas e locais fazem piqueniques ou aproveitam os dias de verão para descansar e observar a paisagem. Na praça, revitalizada em 2012, também estão localizados cafés e restaurantes, no local chamado de “Passeio dos Clérigos”. Ao lado da praça fica também o lugar para se comer, na minha opinião, o melhor bolinho de bacalhau de Portugal: a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau.

Praça de Lisboa a partir do alto da Torre dos Clérigos.

Recheado com o cremoso Queijo da Serra da Estrela, os bolinhos de bacalhau  são produzidos por trás de uma vitrine, na frente dos visitantes e, além de atração turística, são também deliciosos! Vendidos por unidade ou no Combo, acompanhado de uma taça de Vinho do Porto Branco, comer esse quitute é uma obrigação ao turista que vem conhecer a cidade. E se você gostar muito, ainda tem a opção de um repeteco, na matriz da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau que funciona em Lisboa. Pra saber mais acesse http://pasteisdebacalhau.com/.

Aliados

Seguindo caminho pela Rua dos Clérigos, nossa próxima parada será no coração da cidade, o local onde ocorrem os principais eventos no Porto e onde está localizada a Câmara Municipal e o Monumento dedicado a Dom Pedro IV (Dom Pedro I do Brasil): a Praça dos Aliados e a Avenida da Liberdade. Na minha opinião, apesar do movimento intenso de veículos, o lugar é um dos mais charmosos da cidade do Porto.

Aproveite para fazer uma vista aos Paços do Concelho, o prédio em que funcionada a Câmara do Porto. A visita é um pouco difícil de ser marcada, mas vale a pena: ela acontece apenas mensalmente, no primeiro domingo de cada mês e precisa ser agendada exclusivamente pelo telefone +(351) 222 090 400. O tour tem início às 11 da manhã e duração aproximada de uma hora. Para saber mais acesse o site da Câmara Municipal do Porto.

Praça da Liberdade e Av. dos Aliados – Monumento a D. Pedro IV, com o prédio da Câmara Municipal ao fundo.

Bolhão

Nosso tour continua em direção ao Mercado do Bolhão, Manteigaria, Capela das Almas, Via Catarina Shopping, Majestic Café e o Carrilhão das Galerias Palladium.

O Mercado do Bolhão é um local de venda de produtos locais, através de vários boxes. É possível comprar desde artesanato até produtos frescos, frutas, verduras e pães. Localizado em um prédio centenário de arquitetura Neoclássica, nossa visita ao mercado foi quanto estava prestes a fechar para um processo de restauração, que começou em maio de 2018 e deve durar pelo menos dois anos. Enquanto o prédio passa pelas reformas, as vendas do mercado acontecem num local provisório: o subsolo do Centro Comercial La Vie, localizado na rua de trás do mercado e ao lado da Capela das Almas.

Já que falamos nela, a Capela da Almas é outro lugar que merece uma visita: embora a Igreja tenha sido construída no século XVIII, sua maior característica é mais atual – seus mais de 15 mil azulejos foram assentados nas paredes da igreja apenas no século XX.

Ali pertinho fica o shopping mais central da cidade: o ViaCatarina. Na rua de trás, ao lado do Mercado do Bulhão fica também a Manteigaria, onde você vai poder comer o melhor Pastel de Nata de Portugal. Preparados a vista dos clientes, atrás de uma vitrine, os pastéis estão sempre crocantes, fresquinhos e prontos para serem provados junto com um bom café, também vendido na Manteigaria. A manteigaria também possui loja no Bairro Alto em Lisboa, na Rua do Loreto, ao lado da Praça Luís de Camões.

Majestic

Descendo a Rua Santa Catarina em direção à Praça da Batalha nossa próxima parada é no Majestic Café. Eleito um dos “10 Mais Bonitos Cafés do Mundo”, o Majestic foi inaugurado em 1921 com o nome de “Elite”. O nome Majestic veio mais tarde, com forte influência da “Bélle Époque” francesa na cultura portuguesa. Nos anos 60 o Majestic entra em decadência e acaba fechando as portas. O Majestic atual foi inaugurado em 1994, após dois anos de reforma e restauração do prédio. No cardápio da casa ganham destaque as Rabanadas.

Rabanada do Majestic Café – sobremesa tradicional da casa.

A poucos passos do Majestic Café fica o prédio da Fnac e o “Relógio com Carrilhão das Galerias Palladium”. Ali, de três em três horas acontece um “show”, com figuras que “desfilam” por dois minutos para o público. São quatro imagens: Infante Dom Henrique, São João, Almeida Garrett e Camilo Castelo Branco. Se estiver pelo lugar nos horários próximos das apresentações não deixe de descansar as pernas um pouco e apreciar o espetáculo que acontece na esquina das ruas de Passos Manuel e Santa Catarina.

Batalha

A região da Praça da Batalha é nosso próximo ponto de parada no tour.  Suba os poucos lances de escada e visite a Igreja de Santo Ildefonso.  Nesta região podem ser vistos o Monumento ao Rei D. Pedro V e o Teatro Nacional São João. O nome “Batalha” vem da luta entre Cristãos e Mouros que, de acordo com relatos orais, teria acontecido no local.

Teatro Nacional São João, localizado na Batalha.

Um pouco mais a frente é possível ver o que resta da antiga Muralha Ferdinanda, que cercava a cidade e a protegia de invasões. Na Praça da Batalha ficava localizado um dos Portões dessa Muralha. Foi no século XVIII que a  região passou por sua maior transformação, com a demolição de grande parte da Muralha Ferdinanda. Junto ao Convento das Clarissas e no trajeto do Funicular dos Guindais é possível visualizar parte da Muralha, ainda preservada.

Sé do Porto

Continuando nosso tour e após margeamos o Convento das Clarissas e a parte preservada da Muralha Ferdinanda, nos aproximamos da última parada antes do final de nosso tour pelo centro do Porto: o Paço Episcopal e a Sé do Porto.

No Terreiro da Sé podem ser vistos e visitados ainda o “Pelourinho do Porto”, o “Chafariz do Pelicano”, o “Chafariz do Anjo”, a “Estátua de Vímara Peres”, o Museu do Tesouro da Sé do Porto, o Tribunal Canônico do Porto, a Casa-Museu Guerra Junqueiro, além é claro, da própria Catedral da Sé do Porto.

Embora a área que ocupa hoje não represente a forma que possuia nos tempos medievais, o local chama a atenção. Primeiro porque, apesar de todas as intervenções, ainda é possível observar ruínas da “Cerca Primitiva”, dos Séculos XI e XII, que protegiam a área da Sé.

Vista panorâmica do Paço e Catedral da Sé, a partir da Torre dos Clérigos.

Essa “re-caracterização” dos monumentos e locais históricos portugueses foi um dos pilares e marca do Estado Novo, período em que Portugal foi  governado pelo ditador Oliveira Salazar. Durante seu governo houve uma política de se reconstruir o passado, com o objetivo de recuperar e resgatar os tempos gloriosos de Portugal. Assim, essa área do Porto, que até então era ocupada por casas medievais, foi totalmente desocupada e repaginada, as casas demolidas para que de uma “forma artificial” levasse aos visitantes um aspecto de grandiosidade do Estado Português. E de fato, impressiona…

Além do Terreiro da Sé do Porto, outros locais foram construídos e “recuperados” durante a ditadura de Salazar. Entre essas intervenções, a mais emblemática talvez seja o “Castelo de São Jorge” em Lisboa, que apesar de parecer um castelo medieval, é uma construção criada no século XX, durante o período do governo de Salazar.

Estação de São Bento

A partir da Sé, caminhamos mais alguns metros até o ponto em que iniciamos esse tour: a Estação de São Bento.

Detalhe do saguão da Estação de São Bento.

Terminamos assim aqui nosso passeio, na Estação São Bento, uma joia da cidade. Até hoje funcionando como uma estação ferroviária, a estação possui um saguão imponente, decorado com azulejos que retratam momentos importantes na história de Portugal.

Em nosso próximo post falaremos sobre o segundo tour pela cidade e o maior Cartão Postal do Porto: a região da Ribeira, a Ponte D. Luis I e Vila Nova de Gaia.

Recomendamos fazer um passeio pela cidade com o casal Max e Lívia, do Canal Maximizar. Sugerimos também os passeios da Living Tours Gray Line.

Gostou? Ficou animado para viajar? Fale com a gente. Teremos o maior prazer em ajudar a planejar a viagem perfeita para você!

Deixe uma resposta